27 de jun de 2011

Drummond sempre me recebe como se deve!



 (Arquivo pessoal: contemplando a vista de minha casa - 26/06/2011)
 
 
"A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida
está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência
egoísta que nada arrisca e que, esquivando-nos do sofrimento, perdemos
também a felicidade." (Carlos Drummond de Andrade)


Chega o dia de viajar. O objetivo? - Ir de encontro aos braços de minha mãe e de meu pai. Como é bom sentí-los! A energia emerge como um vulcão. Grito esbaforido: - Que venham os dias, as noites e as madrugadas, estive em braços que envolvem e com respirações sincronizadas! De volta ao meu humilde aconchego, deparo com meu apartamento ainda desolado pelos últimos encontros ali realizados. Resolvo abrir meus emails e me deparo com um texto de Carlos Drummond de Andrade postado por minha amiga Zélia (obrigado por esse norte):

"Casa arrumada é assim:
Um lugar organizado, limpo, com espaço livre pra circulação e uma boa
entrada de luz.
Mas casa, pra mim, tem que ser casa e não um centro cirúrgico, um
cenário de novela.
Tem gente que gasta muito tempo limpando, esterilizando, ajeitando os
móveis, afofando as almofadas...
Não, eu prefiro viver numa casa onde eu bato o olho e percebo logo:
Aqui tem vida...
Casa com vida, pra mim, é aquela em que os livros saem das prateleiras
e os enfeites brincam de trocar de lugar.
Casa com vida tem fogão gasto pelo uso, pelo abuso das refeições
fartas, que chamam todo mundo pra mesa da cozinha.
Sofá sem mancha?
Tapete sem fio puxado?
Mesa sem marca de copo?
Tá na cara que é casa sem festa.
E se o piso não tem arranhão, é porque ali ninguém dança.
Casa com vida, pra mim, tem banheiro com vapor perfumado no meio da tarde.
Tem gaveta de entulho, daquelas que a gente guarda barbante,
passaporte e vela de aniversário, tudo junto...
Casa com vida é aquela em que a gente entra e se sente bem-vinda.
A que está sempre pronta pros amigos, filhos...
Netos, pros vizinhos...
E nos quartos, se possível, tem lençóis revirados por gente que brinca
ou namora a qualquer hora do dia.
Casa com vida é aquela que a gente arruma pra ficar com a cara da gente.
Arrume a sua casa todos os dias...
Mas arrume de um jeito que lhe sobre tempo pra viver nela...
E reconhecer nela o seu lugar."

OBS: Percebo que as casas de minha vida são assim... repletas de gozo, de trilhas intermináveis, de emoções e um amor sublime que reconhece seu lugar. Ao chegar em qualquer uma delas, por mais voraz que seja a vontade de arrumá-la de imediato, sempre bate aquele desejo de novamente curtir o deleite do que ali foi dito, feito e aprendido.

15 comentários:

  1. Olá meu grande amigo e irmão Jubert... fico cada dia maravilhado em poder ser um amigo de sua pessoa... portanto, pela suas palavras eh muito gratificante acordar e realmente sentir o prazer do q a vida nos oferece e, que talvez deixamos de enxergar o belo q esta a nossa frente... por mais simpoes q seja ELE ... te adoro amigoe irmão...

    ResponderExcluir
  2. Amigo vc está aqui... adoruuuu!!! hehehe...
    Tbm te adoro... e seja bem vindo (como sempre)

    ResponderExcluir
  3. Jubert querido,
    a primeira vez que li esse texto (mas bem acho que não era assinado pelo Drummond! hihi), achei-o uma lição! Gosto da ideia de "arrume sua casa mas tenha tempo de aproveitá-la"! Obrigada, então, por relembrar-me (talvez) sem querer isso!
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  4. Pois é Elô todo mundo quer um pedaço do Drummond... hehehe... mas é isso aí... só de pensar que sábado tem faxina já fico doido!!!! Mas to aproveitando meu espaço e bom saber que vc tbm... bjim

    ResponderExcluir
  5. Adorei!!! Lindo texto que me serviu como uma luva. "Se é que você me entende". Beijos meu amado amigo!!

    ResponderExcluir
  6. Amigo, na hora que vi achei que você tinha ido no feriado para Itabira. Rs. Bjs e mais uma vez... ESPETACULO!!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Zk,

    antes de tudo vc faz parte dessas minhas morada...
    Ah... não foi de propósito esse post, não leve pelo lado pessoal.... se é que vc me entende? kkkkkkkkk...

    OBS: calça essa luva amiga... aproveita o frio... mas qdo puder... não deixe de aproveitar a vida... aind maia a sua que agora ta deslanchando!!!! vc merece...

    bjim

    ResponderExcluir
  8. Ai Fláviaaaaaaaa... como assim? isso é ato falho seu hein!!!! hmmmm!! Pode me explicar tudo direitim... hehehe

    VC QUE É ESPETÁCULO!!

    ResponderExcluir
  9. Me imaginei saltando em cima da minha cama de mola, e escrevendo meus afazeres de amanhã no espelho...de saltar meus sapatos pelo meio do quarto...e de vibrar em não lavar o banheiro...Minha casa...meu cheiro...meu reino! Amei o texto...tbm, parei e refleti o qt arrumar meu mundo... é assim... peculiar p mim!

    ResponderExcluir
  10. Pois é mocinha... tbm tenho muito a arrumar.... hehehe

    ResponderExcluir
  11. Que lindo tudo isso, aliás vc é um ser encantador, como tudo o que escreve!!!!
    Amiga Andresa

    ResponderExcluir
  12. Ahhh Andresa... vc que é linda.... grande bjo... obrigado por vir prestigiar, seja sempre bem vinda... saudades!!!

    ResponderExcluir
  13. Joubert!!! maravilhosa essa ideia de associar seus pensamentos com as palavras de Drumond...semprei achava Drumond um cara muito melancólico mas depois que fui à Itabira com meus alunos numa excursão da área de Português da minha Escola amei, pois senti nas prosas e declamações dos meninos chamados de Drumonzinhos que a melancolia depende o ponto de vista da leitura e do plano de fundo que a paisagem te desperta...lembrei imedediatamente da casa de minha mãe que ainda respira vida e é um pouco desarrumada pelas intensidades de movimentos que nós provocamos...digo eu e meus agregados...seja sempre benvindo em minha morada pois seu sorriso enobrece as nossas desarrumações e provoca vontade de uma bagunça ilária e feliz para depois arrumarmos tudo pensando no dia ou na noite anterior em que sua presença nos foi gratificante!!! felicidades....Gláucio, ainda procuro felicidade em quase tudo...sem me preocupar com o fim a cada instante das coisas...

    ResponderExcluir
  14. Gláucio meu caro... muito bom ter você por aqui... é gratificante saber que minhas palavras e as de Drummond puderam levar você ao seio de sua mãe. Afinal essa desarrumação das casas de nossas mães devido a intensidade de movimentos que nós e muitos provocam é sempre algo que acho que deve ser repetido por gerações, pois é assim que se constrói a família e todo amor que nela é construído. Muito bom saber que você procura felicidade em quase tudo, é que compartilho que a felicidade é assim mesmo, nós é que devemos correr para ela sem pudor ou qualquer medo. Abraços e muito obrigado!!!

    ResponderExcluir
  15. Coisa linda, Ju! Seu texto é um deleite parecido com aquele deleite que a gente sente ao espreguiçar numa rede, debaixo de uma sombra, sem nada pra fazer senão degustar a vida na sua dimensão mais primária e pura: a de apenas ser. Me identifiquei imensamente com tudo o que voce disse e não pude deixar de lembrar das minhas gavetas emaranhadas de entulho, incluindo barbante e velas de aniversário...rs! È lindo poder se reconhecer no seu reino, aquele onde ninguém pode roubar você de você. Obrigada por partilhar essa beleza captada pelo seu olhar.
    Beijos da sua eterna amiga Lola.

    ResponderExcluir