12 de jul de 2011

O deleite de sentir pelo sabor do gesto!




(Grande Teatro do Palácio das Artes - Belo Horizonte - 10 de julho de 2011)



Bom mesmo, é o que acontece por acaso, desde que esse acaso venha para revigorar a alma. É assim que todos os dias deveriam começar, no acaso das coisas lindas, que pulam no caminho por diante de nossos passos. Pelo menos é o que eu acho! O acaso brinca com as emoções que simplesmente explodem após os aparecimentos oportunos e conturbados, porém não menos deliciosos. Foi assim, a esmo, que meu domingo ensolarado foi contemplado com um sabor a mais. Após o acaso surpreender o restante do domingo, ele mudou todo o trajeto por determinação de Rafael, que me entregou, para abrilhantar minha noite, seu convite para apreciar o Espetáculo "Pelo Sabor do Gesto". Nome que o mesmo (Rafael - que de anjo tem muito) nem dava-se conta, e com um gesto saboroso cedeu seu lugar para que eu fosse apreciar o Show de Zelia Duncan (obrigado pelo tão grandioso gesto do acaso). Zélia com tantos gestos expressa de forma transcendente a pureza do cuidado, no que tange o amor não só pelas palavras mas por todo um contexto construído e instruído por um olhar, por um pulsar, pelo respirar. A medida que a as canções adentravam os ouvidos a cabeça viajava pelos doces dias construídos de minha história. Digo doce, porque as desventuras são tão frívolas perto da magnitude de poder estar vivo, por exemplo, para apreciar uma manisfestação gestual que me remete ao sorriso de meu pai, de minha mãe e de meu irmão (meus três principais e primordiais gestos). A verdadeira trilogia desse caminho torto, que possui um leito em macios braços para revigorar energias. As vezes não dizem nada, as vezes fazem cafune, ficam ouvindo a respiração um do outro e mistura-se com os outros sons que os gestos familiares agregam nesses momentos de intimidade. Outra canção invade o teatro e o pensamento muda em direção as coisas que fiz e para as coisas que listei um dia para poder fazer. Quais delas foram concluídas? Quais delas foram suficientes o bastante para me fazer ser eu? Tanto faz. O importante de tantos passos é o vigor da pisada. O que resta é a força da gargalhada dada. O que lava é a pureza da lágrima expelida. Afinal foram gestos saborosos e traçados de forma voraz. Na canção o "Tom do Amor" tudo é derramado (momento que o amor é descrito e clama de forma gestual sua vontade de aparecer - e aparece). Em "Todos os verbos", o ápice desse amor é demonstrado através da língua gestual (fui retirado da ignorância nesse momento e absorvi tal experiência através das mãos do outro). Apesar dos gestos seguirem e dizerem as letras da música apresentada, eu também vi outras maravilhas intrínsecas pulsarem das mãos da artista, e me fez lembrar de um pequeno texto que escrevi aos 21 anos: 

Sentir-se no próximo é maravilhoso. As vezes penso se é possível fazer o coração alterar suas batidas sem a presença do outro? Sempre há uma resposta negativa. A essência está estacionada em nós e não podemos fazê-la fluir sem que mãos externas aproximem-se das nossas próprias. 


No final ir para casa foi mais intenso. Abraçar as pessoas que o acaso colocou para mim nesse momento foi fundamental. Salve Zélia por me integrar e me fazer perceber nas plenitudes e na simplicidade dos contextos. Salve Rafeto por me agraciar mais uma vez, e sempre, sem regalias. Salve Keylla (minha companheira de show), por cada aperto de mão, respiração profunda, abraços e olhos brilhantes a cada música que invadia o ambiente com suas letras que são realmente, minha querida, as trilhas sonoras de um mundo que ainda existe: um mundo de gestos plenos cheios de frutíferos acasos que também nos abraçam a todo instante.

4 comentários:

  1. Acaso das coisas lindas: posso me apropriar desse trecho?! Ótimo, porque já é meu!

    Nossa, antes mesmo de terminar a leitura, já sabia: seu texto (novamente) foi maravilhoso!

    ResponderExcluir
  2. Muito intenso tudo isso... O fds fez valer a pena, bjos querido!

    ResponderExcluir
  3. Seja bem vindo Natália sempre. o fim de semana foi realmente muito bom. princpalmente sexta com vcs... bjão

    Elô.... pode se apropriar de tudooooo... hehehe... bjos

    ResponderExcluir
  4. E parodiando Zelia (acho que posso chamá-la assim devido ao nivel de intimidade) "Benditas coisas que nos sejam BEM DITAS...
    Te amuuuuuuuu!

    ResponderExcluir