26 de mai de 2011

Trânsito: um medidor de caráter

Ouvi uma frase da fantástica Fernanda Young a respeito do trânsito há um tempo atrás que me fez refletir e entender por qual motivo minha íra e indignação no trânsito era tão visceral. "O trânsito é um medidor de caráter". Perfeito... bateu como um dicionário para dar base as minhas indagações: piscar farol na sua traseitra, fechar sua passagem, tentar tirar proveito para passar primeiro em um cruzamento, não respeitar faixa de pedestre... e entre tantos atos que fazem o coração fibrilar e de forma ríspida permite que surja de sua boca um filho da p.... complexo não?! Pois é!! Esse é um medidor de caráter com certeza. A cada dia o carro passa a ser o grande poder que transforma e engrandece o cotidiano desse aglomerado que chamamos de cidade.  Ali em milésimos de segundos um carater é mostrado em todo seu esplendor ou em toda sua obscuridão. E você consegue até perceber o brilho no olhar e o puxadinho no canto da boca demonstrando um riso sórdido de quem consegue burlar a ordem no trânsito: Eis o grande mau caráter, aquele capaz de bater na mãe, de passar por cima do canteiro central, porque "ele" é o "grande fodão", é o seu momento de mostrar para o mundo sua existência, já que no cotidiano quando seus pés tocam o chão, ele não relflete e/ou nem produz luz alguma. Decidi pedir piedade para "eles" e oferecer de bom grado toda a rua ou estrada que entender-se a sua frente, pois são seus únicos caminhos, única opção de vida, única forma de se fazerem vistos. Eu não, eu tenho muitos outros caminhos, muitas outras formas de transcender do que a de ter que recorrer a um frívolo acelerador. Como postado em comentários por uma amiga (Claudinha - que por sinal é uma delícia de ser humano), as palavras de de José Saramago: "Gostar é provavelmente a melhor maneira de ter, ter deve ser a pior maneira de gostar". O que fazer se o que "eles" tem é apenas um acelerador que foi apenas obtido? O que fazer se o que "eles" podem ter á apenas essa velocidade impulsionada por uma máquina? Agora a descrição de um Gostar: o carro parou  e seu motorista sinalizou cedendo a sua vez, por ter observado que o outro veículo estava em local mais complexo, e sua gentileza foi tremenda que o mesmo pode ler os lábios da pessoa que foi agraciada: - Obrigado meu jovem!! (E isso com um sorriso irradiante). Com isso eu só tenho a dizer: Viva José Saramago por descrever tão bem a beleza do que é conquistado, e Viva Claudinha que me abençoou com essa passagem. E os de mau caráter? Esses vamos conspirar para que o universo tenha piedade e lhes ensine algo com suas leis. Assim seja!!!!!

3 comentários:

  1. Querido, eu tenho medo de carros e trânsito... Vc bem sabe que nem dirijo... Acho que no tráfego a gente o fenômeno "relacionar-se" se expande de tal maneira que não dou conta! Bom esse seu texto! Bom esse seu olhar!

    ResponderExcluir
  2. Lindo, de onde eu tirei um "a gente" bem no meio do comentário?! Que falta de revisão!!! hihi

    ResponderExcluir
  3. Num isquenta naum amiguinha... na hora a emoção vale mais... hehehe... bjim

    ResponderExcluir